dilma-f

A dependência extrema das grandes corporações jornalísticas em relação à bilionária publicidade federal está na raiz do pesadelo que o país vive hoje.

 

Fato: as empresas de mídia simplesmente não sobrevivem sem a propaganda federal. Principalmente a Globo, mas não apenas ela.

 

Isso as leva a fazer o diabo pelas verbas, incluído aí dar golpes como o que derrubou Dilma.

 

Uma das primeiras providências de Temer ao assumir foi despejar dinheiro na mídia. Isso ao mesmo tempo em que cortava programas sociais.

 

É uma dependência que vem de longe. A grande diferença entre o que ocorreu na Era PT e antes foi a falta de reciprocidade da imprensa.

 

Funcionava assim sob FHC, por exemplo: o governo federal abria os cofres para Globo, Abril, Folha etc. Em troca, recebia uma cobertura positiva, amiga, em muitos momentos fraternal.

 

O maior símbolo disso foi a ausência de cobertura da escandalosa compra de votos no Congresso para a reeleição de FHC.

 

O PT não fez nada para mudar essa aberração. Acreditou que, mantida em altos níveis a propaganda federal na mídia, conquistaria, se não seu apoio, ao menos sua neutralidade.

 

Os resultados são os conhecidos. O PT acabou se tornando o primeiro partido no poder a pagar para apanhar de jornais, revistas, rádios e por aí vai.

 

A imprensa foi progressivamente adotando o chamado Jornalismo de Guerra, e quando Dilma pareceu enfim ter acordado era tarde demais.

 

Poderia ter sido diferente, se Lula logo no começo, no auge de seu prestígio e de sua força, houvesse enfrentado a mídia?

 

Eis uma pergunta para a qual não há uma resposta conclusiva. Só cabem especulações. Lula poderia ser bem sucedido num hipotético esforço para mitigar o poder abusivo das organizações de jornalismo? Ou o golpe viria antes?

 

Para que houvesse um confronto, Lula teria que ser outro Lula. Um Lula combativo, e não o grande conciliador que sempre foi. O que talvez seja sua maior força — a extraordinária capacidade de conciliar — pode ter a sido a grande fraqueza de Lula na relação com a mídia.

 

Fora do terreno especulativo, o que é certo é que, como 2016 deixou claro, nenhuma democracia real poderá prosperar no Brasil enquanto a imprensa tiver o poder que tem — derivado, em enorme parte, das verbas de propaganda federal.

 

Se há um consolo é que a Era Digital vai inevitavelmente minar as empresas tradicionais de jornalismo — a despeito do dinheiro público canalizado para elas pelos governos. Não existem remédios contra as quedas de audiência que a internet provoca com intensidade crescente na mídia.

 

Mas para que as mudanças sejam perceptíveis leva ainda tempo, e o Brasil tem pressa.

 

Paulo Nogueira ,jornalista, é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

 

23 Nov 2016

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/como-o-pt-se-tornou-o-primeiro-partido-no-poder-a-pagar-para-apanhar-da-midia-por-paulo-nogueira/