velório de José Eduardo Dutra

A agressão fascista no velório de José Eduardo Dutra, ex-presidente do PT, teve forte repercussão nas redes sociais. Com exceção dos robôs maníacos, com as suas provocações patéticas, a ampla maioria dos internautas condenou o gesto desumano de meia dúzia de velhacos da direita nesta segunda-feira (5) em Belo Horizonte (MG). Mas só isto não basta. Para conter a onda de intolerância – que distribui folhetos com os dizeres que “petista bom é petista morto” e com fotomontagens da presidenta sentada numa privada – é urgente que os poderes públicos tomem providências, que inclusive estão previstas nas leis. Do contrário, as cenas de ódio vão se alastrar e resultarão em episódios ainda mais violentos.

 

Neste sentido, os deputados petistas Rogério Correia, Durval Ângelo e Cristiano Silveira acertaram ao acionar o Ministério Público de Minas Gerais contra os agressores fascistas. Na própria segunda-feira, eles estiveram com o promotor Eduardo Nepomuceno e exigiram a apuração do fato e a punição dos macabros provocadores. Na ocasião, o representante do MP afirmou que “as atitudes desses grupos são passíveis de punição, e esta virá, com o conjunto de provas que forem reunidas no processo contra eles. No caso, trata-se de uma ação penal pública incondicionada, pois independe da iniciativa das vítimas de a pleitearem”, relata o deputado Rogério Correia.

 

Promotor de Defesa do Patrimônio Público, Eduardo Nepomuceno “afirmou que manifestações que atentam contra a democracia, perturbam cerimônias funerárias e ofendem e ameaçam pessoas são passíveis de serem enquadradas como crime. ‘Se couber a uma das promotorias criminais, o que acho mais plausível, farei o devido encaminhamento com os documentos e indícios apresentados pelos deputados’, garantiu”. Líder do Bloco Minas Melhor, Rogério Correia relatou que há algum tempo membros de grupos de direita, como o famigerado “Patriotas”, comparecem a manifestações públicas e em instituições utilizando procedimentos fascistas e que ferem a democracia.

 

“Recentemente, esse pessoal invadiu as galerias da Assembleia Legislativa e ofendeu as deputadas petistas com algumas palavras impublicáveis nos meios de comunicação. Agora, no velório do José Eduardo Dutra, ultrapassaram o limite do tolerável”, afirmou. O deputado frisou que é preciso que o Ministério Público, em parceria com a polícia judiciária, identifique e puna os responsáveis por esses atos, “antes que a sociedade fique refém do radicalismo fascista”. Ele ainda acrescentou que “o que me incomoda nessa história é saber que o PSDB e seus parlamentares vêm dando cobertura a essas pessoas, que sabidamente são contra a democracia”.

 

Os jagunços da revista ‘Veja’

 

Até agora, três “elementos” já foram identificados como participantes da ação macabra. O carro que lançou os panfletos apócrifos também está sendo localizado. Caso os poderes públicos tomem as devidas providências, seria necessário também acionar alguns “jornalistas” e donos de veículos de comunicação – que estimulam a onda de intolerância que contagia os chamados “midiotas”. No dia do falecimento de José Eduardo Dutra, vítima de um câncer, a revista Veja publicou uma nota afirmando – sem provas – que o ex-presidente do PT e da Petrobras “participou da concepção do ‘petrolão'”. É provável que os fascistas que aterrorizaram o velório sejam leitores assíduos desta revista do esgoto!

 

6 de outubro de 2015

http://altamiroborges.blogspot.com.br/2015/10/velorio-de-dutra-fascistas-serao-punidos.html