Os jornalões decadentes decidiram apostar todas as suas fichas na última semana da campanha eleitoral para ver se ainda conseguem levar seu candidato ao segundo turno. Neste esforço, o oligárquico Estadão foi até mais honesto do que a falsamente eclética Folha. Em editorial neste sábado, ele confessa o que apenas os ingênuos não sabiam. “Com todo o peso da responsabilidade à qual nunca se subtraiu em 135 anos de lutas, o Estado apóia a candidatura de José Serra”.

Já o jornal da famíglia Frias fez estardalhaço com o seu editorial, publicado na capa do domingo, para novamente mentir. Após condenar o governo Lula, ele tem a caradura de afirmar que “esta Folha procura manter uma orientação de independência, pluralidade e apartidarismo editoriais, o que redunda em questionamentos incisivos durante períodos de polarização eleitoral”. Este falso ecletismo ainda engana muita gente, mas não contém mais a sua irreversível queda de tiragem. 

Unidos no reacionarismo

Em ambos os editoriais, porém, fica explícito o reacionarismo destes jornais. Na forma de apoiar seu candidato, eles são diferentes; no conteúdo, eles estão solidamente unidos. O Estadão dedica só sete linhas para bajular o demotucano e nove parágrafos para atacar a gestão de Lula, avaliada como ótima e boa por 80% dos brasileiros. Para o jornal, que resistiu à abolição da escravatura e apoiou o golpe militar de 1964, Lula é “o mal a evitar”, como ele realça já no título do editorial.

O diário da oligarquia paulista, que sempre conspirou contra a democracia, afirma que Lula tem o “mau hábito de perder a compostura quando é contrariado”. Reflexo do que há de mais podre nas elites, ele acusa o operário de presidir um governo “moralmente deteriorado” e de ser “chefe de uma facção”. Ainda afirma que o atual governante “atropela as leis”, logo ele que até hoje se vangloria de ter apoiado o golpe de 1964, que derrubou um presidente democraticamente eleito.

Tentativa de ludibriar os tapados

Diante das críticas de Lula à partidarização da imprensa, o Estadão veste a carapuça. “Há uma enorme diferença entre ‘se comportar como um partido político’ e tomar partido numa disputa eleitoral em que estão em jogo valores essenciais ao aprimoramento se não à sobrevivência da democracia neste país”. Para o jornal, Dilma Rousseff é uma “invenção” de Lula para, “se eleita, segurar o lugar do chefão e garantir o bem-estar da companheirada”. Já o apoio a José Serra se deve à “convicção de que é o que tem melhor possibilidade de evitar um grande mal para o país”.

A declaração de voto do Estadão, em frenética campanha, é escancarada. Já a Folha insiste em se travestir de “neutra e apartidária” para ludibriar os mais tapados. Para ela, a popularidade de Lula reflete “o ambiente internacional favorável aos países em desenvolvimento” e “os acertos do atual chefe do Estado…, que teve o discernimento de manter a política econômica sensata de seu antecessor”. Haja cinismo na leitura sobre a crise mundial e sobre o desastre do reinado de FHC!

O medo da "onda vermelha"

Após fingir reconhecer “os méritos” do atual governo, a Folha mostra suas garras e afirma que o maior perigo “é do enfraquecimento do sistema de freios e contrapesos que protege as liberdades públicas e o direito ao dissenso quando se formam ondas eleitorais avassaladoras, ainda que passageiras”. O jornal teme a vitória de Dilma e, mais ainda, a chamada “onda vermelha”, que pode alterar a correlação de forças no parlamento e nos governos estaduais, pavimentando o caminho para mudanças mais profundas no país.

Arrogante, a Folha se coloca como paladina da ética, que critica as sujeiras de todos os governos – só não explica a brutal diferença no tratamento das maracutaias dos governantes tucanos. Para quem já esteve envolvida em denúncias de corrupção, como no famoso caso da estação Júlio Prestes, é muita petulância. Já os seus discursos sobre os riscos à democracia, lembram muito os do finado Octávio Frias, patrono do jornal e dono da rodoviária, às vésperas do golpe de 1964.

Censores e golpistas falam em democracia

No final, o editorial rosna uma advertência. Ameaça os que tentarem “o controle da imprensa”. É pura bravata de um jornal decadente e decrépito. Serve apenas para atiçar os apetites golpistas de alguns saudosos da ditadura, como o general Renato César Tibau, que afirmou no seminário do Clube Militar, na semana passada, que “os militares de todos os tempos, da ativa e da reserva” estão preparados para “defender a democracia”. Como se observa, a democracia, palavra tão vilipendiada, está na boca dos censores, torturadores e de alguns golpistas da velha mídia.