O amor nasce do entendimento de que não podemos ser plenamente nós próprios sem o Outro. Amar pressupõe, portanto, plena aceitação e aprendizado. Exige de nós acolhimento e cuidado com o Outro como autêntico Outro, e não como projeção dos meus desejos e caprichos. Um cuidado que não se limita ao Outro humano, mas abrange a Terra e o Cosmos. Sem a práxis amorosa, toda ideologia, toda filosofia e toda retórica são vãs.
 
Economia, em grego, quer dizer gestão da casa. Todos nós precisamos gerir e cuidar de cada uma das casas que habitamos, bem como aspirar ao desenvolvimento integral dos nossos potenciais e atributos individuais e coletivos.
 
 
Marcos Arruda é Socioeconomista e educador do Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul (PACS). Colaborador da Universidade Internacional da Paz (Unipaz) , do Instituto Visão Futuro, do Programa Educação Gaia e da Rede Brasileira de Justiça Ambiental. Sócio do Instituto Transnacional (Amsterdam).